Pular para o conteúdo

11/07/2019

Porto Alegre, 11 de julho de 2019                                              Ano 13 - N° 3.020

    Lactalis faz acordo com Lala e fica de vez com a Itambé
 

A disputa envolvendo o controle do laticínio mineiro Itambé terminou em acordo. Em litígio desde o fim de 2017, a francesa Lactalis anunciou ontem que, após chegar a um entendimento com a mexicana Lala, assumiu definitivamente o controle da empresa criada pela Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR).

Pelo acordo, as empresas abriram mão de contenciosos que mantinham no Brasil, disse ao Valor o CEO da Lactalis para a América Latina, Patrick Sauvageot. Em contrapartida, a Lala encerrou no México a "relação contratual" com a Parmalat, que pertence à multinacional francesa.

Com a Itambé, a Lactalis consolida a liderança no mercado brasileiro de lácteos, reunindo marcas como Parmalat, Batavo, Président e a própria Itambé, entre outras. O faturamento combinado no Brasil é de quase R$ 8 bilhões por ano, segundo a multinacional francesa.

A compra da Itambé também dá ao grupo francês a liderança em captação de leite no Brasil. No ano passado, a suíça Nestlé figurou na primeira posição, captando 1,6 bilhão de litros, de acordo com o ranking da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Leite Brasil).

Juntas, Lactalis e Itambé captam 2,3 bilhões de litros de leite por ano, o equivalente a 9,4% da produção formal de leite no país. Da última vez em que divulgou dados para ao ranking, em 2017, o laticínio mineiro informou ter captado quase 1 bilhão de litros de leite.

De acordo com Sauvageot, a Lactalis ainda tem espaço para crescer no país. "Se você olha outros mercados no Brasil, os líderes em geral têm mais de 15% [de participação]", disse o executivo.

Perguntado pela reportagem, ele admitiu o interesse da Lactalis na Dairy Partners Americas (DPA), joint venture entre Nestlé e Fonterra que foi colocada à venda neste ano. "Acho que todos do mercado vão estar interessados", afirmou. Se adquirir a DPA, empresa que faturou cerca de R$ 1 bilhão em 2018, a Lactalis desbancará a Danone da liderança do mercado brasileiro de iogurtes.

Encerrado oficialmente ontem, o conflito entre Lactalis e Lala remonta a agosto de 2017, quando a Vigor, que era controlada pela J&F Investimentos, foi vendida para os mexicanos. Na ocasião, a Lala acertou a compra da Vigor e da fatia de 50% que a companhia da J&F tinha na Itambé por R$ 5,7 bilhões. No entanto, a CCPR decidiu fazer valer o direito de recompra dos 50% da Itambé que pertenciam à J&F e retomou 100% do capital do laticínio mineiro. Um dia depois, porém, a cooperativa vendeu a totalidade da Itambé à Lactalis, por estimados R$ 1,9 bilhão.

A reviravolta envolvendo o controle da Itambé levou o grupo Lala à Justiça e à Câmara de Arbitragem Brasil Canadá. Os mexicanos questionaram o que consideravam ser o descumprimento, pela CCPR, do acordo de acionistas que tinha com a Vigor. Um dos argumentos era que o acordo proibia a venda da Itambé a um grupo concorrente, justamente o caso da Lactalis.

Ao Valor, o presidente da CCPR, Marcelo Candiotto, afirmou ontem que o acordo entre Lala e Lactalis é positivo para a cooperativa. "Escolhemos o parceiro que queríamos", disse, defendendo a legitimidade da venda da Itambé ao grupo francês. A CCPR terá um acordo de longo prazo para fornecer o leite produzido pelos cooperados exclusivamente à Lactalis. (Valor Econômico)            

Novas regras para fretes pesam sobre o custo dos adubos
Historicamente beneficiadas por descontos expressivos no "frete de retorno", as empresas de fertilizantes que atuam no país, dependentes de matérias primas importadas, viram seus custos com o transporte de insumos aumentar em pelo menos 50% com a entrada em vigor das novas regras que passaram a nortear a atividade nas rodovias brasileiras.
Segundo David Roquetti Filho, diretor-executivo da Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), que representa cerca de 130 companhias fabricantes de matérias-primas ou misturadoras - que fazem os produtos finais vendidos aos produtores rurais -, o segmento foi especialmente prejudicado porque a cobrança do frete de retorno passou a ser obrigatória e os valores cheios para o transporte em suas principais rotas subiram.
Em períodos de escoamento das exportações de soja, diz ele, as cargas de fertilizantes que chegam aos portos costumam ter fartura de caminhões à disposição para chegar ao interior do Brasil. De acordo com Roquetti, em portos como Santos (SP) e Paranaguá (PR), por exemplo, nesses períodos são seis ou sete caminhões que descem com o grão para cada veículo que sobe com adubo. E se antes das novas regras era interessante para um motorista voltar com fertilizantes por valores em média 60% mais baixos que os cobrados na ida, com o "frete de retorno" a prática deixou de ser vantajosa.
Acordos de gaveta entre quem contrata o frete e transportadoras ou motoristas autônomos sempre podem ser negociados, mas a nova legislação prevê multas para quem descumprir os valores mínimos previstos na tabela, que no dia 20 deste mês ganhará novos parâmetros. Cada real pago a menos é passível de multa de R$ 2, o que, se o fio do bigode romper, pode gerar multas milionárias - segundo a Anda, as importações brasileiras de fertilizantes intermediários somaram 27,5 milhões de toneladas no ano passado.
 

 
"O Brasil importa 80% do fertilizante utilizado em suas plantações (...) Os portos brasileiros recebem todo esse volume e, a partir daí, começa um périplo logístico até o proprietário, o qual se dá essencialmente pela via rodoviária. A depender do corredor logístico escolhido, a viagem terrestre pode variar de 400 km a 2.000 km", diz a Anda em estudo enviado a Mario Rodrigues Junior, diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).
Nesse material, a Anda lembra que o frete responde por "expressiva parcela" do custo do fertilizante - entre 7% e 20% - e que o insumo, por sua vez, representa de 30% a 40% do custo de produção de grãos. Roquetti reconhece que a tendência é que as empresas de adubos repassem seu aumento de custos para os agricultores, reduzindo suas margens. "A Medida Provisória que originou a tabela e a Lei do Frete [13.703/18] são inconstitucionais. Representam indevida intervenção do Estado na economia e estão na contramão dos princípios da livre iniciativa e da livre concorrência", afirma ele.
Segundo ele, a metodologia de tabelamento preparado pelo grupo de pesquisa e extensão em logística da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiróz (EsalqLog/USP), que norteia os valores que entrarão em vigor no dia 20, também apresenta falhas que continuarão a onerar a cadeia de fertilizantes. O executivo lembra que, em suas contas, a EsalqLog considera, por exemplo, que os caminhões no país têm idade média de sete anos e rodam, em média, a 75 quilômetros por hora, ao passo que no caso dos motoristas autônomos a idade média dos veículos é de 14 a 18 anos e que em seus velocímetros a média é de 40 quilômetros por hora.
"Toda a base do EsalqLog é o frete lotação, que significa transporte do ponto A ao ponto B com o caminhão cheio. Não prevê cargas fracionadas, que param em vários pontos no meio do caminho. Outra questão é o valor do diesel. Para calcular os valores do frete, a EsalqLog pega por referência o preço do combustível na bomba, dado pela ANP. Mas todos sabemos que há negociações diretas entre transportadoras e motoristas com postos que resultam em descontos", afirma Roquetti Filho.
Embora saiba que a Lei do Frete não vai cair, a Anda ainda tem esperanças de que a discussão sobre ela no Supremo Tribunal Federal (STF) possa corrigir o que acredita serem distorções, aprofundadas pelo fato de a tabela não prever a sazonalidade dos transportes de fertilizantes, concentrados entre julho e novembro, com pico em outubro. "Podemos ter uma tabela só para os caminhoneiros autônomos, da mesma forma que o frete de retorno poderia ser liberado em algumas rotas. Outra saída, também para alguns casos, seria a empresa que contrata o frete assumir o custo do diesel", defende. (Valor Econômico)
 
 
Plano de qualificação do fornecedor deve ter envolvimento de toda a cadeia do leite
Plano de qualificação - “Para que o setor leiteiro seja realmente competitivo é preciso que o objetivo de fortalecer a cadeia leiteira seja de todos os integrantes: governo, setor privado, produtores, fornecedores de insumos e clientes”.
 

A afirmação é do auditor e membro da Comissão de Boas Práticas e Bem-Estar Animal do Ministério da Agricultura (MAPA), Bruno Leite. Ele esteve na Embrapa Gado de Leite para detalhar o Plano de Qualificação do Fornecedor de Leite (PQFL), que integra a Instrução Normativa nº 77 (IN77), em vigor desde o início do mês passado. Para nortear as indústrias na confecção de seus planos, o MAPA lançou um guia orientador, disponível gratuitamente no site do Ministério. 
 
 A apresentação de Bruno Leite está disponível para acesso online em: 

http://www.repileite.com.br/page/palestras-recentes

 A normativa estabelece que os laticínios devem manter um programa de autocontrole da qualidade da matéria prima, o leite, para que preserve as condições higiênico-sanitárias adequadas. Para isto, necessitam estabelecer um plano de qualificação de produtores rurais, contemplando assistência técnica e gerencial, bem como a capacitação com foco em gestão da propriedade e implementação das boas práticas agropecuárias. Após a apresentação do auditor, foi realizada uma reunião com as equipes do Laboratório de Qualidade do Leite (LQL), do ensino a distância E@DLeite e do núcleo temático de pesquisa em Saúde Animal e Qualidade do Leite, visando iniciar as discussões para a elaboração do modelo de curso que o laboratório da Embrapa irá oferecer, já que os técnicos dos laticínios devem ser capacitados pela Rede Brasileira de Laboratórios de Controle da Qualidade do Leite (RBQL), conforme prevê a IN77.

Segundo gestor do Núcleo Temático Saúde Animal e Qualidade do Leite, Alessandro de Sá, a associação de cursos teóricos a distância e cursos práticos presenciais é um caminho que está em discussão para se configurar como base do plano de capacitação do LQL. “Temos conhecimento, massa crítica, infraestrutura e espaço nos campos experimentais para elaborar um bom programa de treinamento,” afirmou. O coordenador geral de produção animal do MAPA, André Brugnara, que também participou da reunião e afirmou que o engajamento da Embrapa neste processo é fundamental. “O conteúdo da capacitação que os 10 laboratórios da RBQL vão oferecer aos técnicos de laticínio deve ser padronizado. Essa é uma questão importante. Cada laboratório não deverá ter um plano diferente do outro”, pontuou.
Para Sá, a fidelização entre produtores e laboratórios e entre laticínios e produtores deverá ser uma consequência natural, o que facilitará o processo, já que caberá a cada laticínio ou laboratório convidar seus clientes e fornecedores para estreitar a parceria. Tudo isto tem como objetivo alinhar e aproximar produtores de leite e indústria, de forma que atuem em conjunto para a obtenção de produtos cada vez melhores em qualidade e segurança alimentar. “Laticínio e produtor de leite devem trabalhar alinhados e em sintonia. Não há avanço se cada um caminhar em sentido oposto”, observou Bruno Leite.
Bruno Leite destaca que as INs 76 e 77 são um avanço em relação as legislações anteriores e ao Plano Mais Leite Saudável, que o MAPA estabeleceu em 2015 e alcançou 2023 municípios de norte a sul do país. Ele acrescenta que é a Superintendência Federal de Agricultura (SFA/MAPA) que fará o acompanhamento da execução dos planos de qualificação de fornecedores de leite, ou seja, produtores rurais, por meio de auditorias in loco: “É com base nas experiências anteriores, seus erros e acertos, que conseguiremos avançar. O PQFL é, certamente, um aperfeiçoamento”, salientou.
A IN76 refere-se à aprovação de regulamentos técnicos que fixam a identidade e as características de qualidade que devem apresentar o leite cru refrigerado, o leite pasteurizado e o leite tipo A. A IN77 traz os critérios e os procedimentos para produção, acondicionamento, conservação, transporte, seleção e recepção do leite cru, incluindo a organização da propriedade, suas instalações e equipamentos, a capacitação de funcionários e o controle sanitário sistemático. (Terra Viva)
 
 
Cenário internacional no fórum milkpoint mercado
A China tem aumentado suas compras de derivados lácteos este ano (crescimento de cerca de 26% em equivalente leite nos primeiros 5 meses de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado). Ao mesmo tempo, depois de começar o ano em desaceleração, a produção europeia apresentou crescimento significativo no mês de abril (quase 190 milhões de litros adicionais, volume maior do que toda a produção de 1 mês no Uruguai, grande exportador lácteo do Mercosul). (Milkpoint)
 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *