Pular para o conteúdo

22/05/2019

Porto Alegre, 22 de maio de 2019                                              Ano 13 - N° 2.984

   Conseleite/PR

A diretoria do Conseleite-Paraná reunida no dia 21 de Maio de 2019 na sede da FAEP na cidade de Curitiba, atendendo os dispositivos disciplinados no Capítulo II do Título II do seu Regulamento, aprova e divulga os valores de referência para a matéria-prima leite realizados em Abril de 2019 e a projeção dos valores de referência para o mês de Maio de 2019, calculados por metodologia definida pelo Conseleite-Paraná, a partir dos preços médios e do mix de comercialização dos derivados lácteos praticados pelas empresas participantes.


 
Os valores de referência indicados nesta resolução para a matéria-prima leite denominada "Leite Padrão", se refere ao leite analisado que contém 3,50% de gordura, 3,10% de proteína, 500 mil células somáticas/ml e 300 mil ufc/ml de contagem bacteriana. Para o leite pasteurizado o valor projetado para o mês de Maio de 2019 é de R$ 2,4646/litro. Visando apoiar políticas de pagamento da matéria-prima leite conforme a qualidade, o Conseleite-Paraná disponibiliza um simulador para o cálculo de valores de referência para o leite analisado em função de seus teores de gordura, proteína, contagem de células somáticas e contagem bacteriana. O simulador está disponível no seguinte endereço eletrônico: www.conseleitepr.com.br. (Conseleite/PR)
 
                 
 
Santa Maria recebe debate sobre as INs 76 e 77 
A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) será palco do debate sobre as mudanças exigidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), através das Instruções Normativas (INs) 76 e 77 no próximo dia 4 de junho. O evento acontece às 13h, no auditório do Colégio Politécnico, prédio 70, localizado na  Avenida Roraima, 1000. As inscrições são gratuitas, limitadas a 180 vagas e podem ser feitas pelo link https://bit.ly/2YLNAid.
As novas regras começam a valer a partir de 30 de maio e os produtores que não estiverem adequados a elas poderão ter a compra de leite interrompida. De acordo com o secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS, Darlan Palharini, a realização das reuniões por todo o Estado garante que as principais dúvidas sejam esclarecidas. "O evento conta com palestras de especialistas que levam dados para comprovar que as medidas têm o objetivo de primar, acima de tudo, pela qualidade do leite", afirma.
A programação inclui repasse de informações sobre a Lei do Leite, aspectos de inspeção, sanidade e sobre o Plano de Qualificação de Fornecedores. Também há espaço para depoimentos de produtores e indústria sobre a participação no Programa Mais Leite Saudável, e para mesa redonda. Os participantes poderão fazer perguntas ao vivo, via Whatsapp pelo número (51) 9 8909-1934 ou pela transmissão simultânea via Facebook do Sindilat (facebook.com/sindilatrs). 
A reunião é promovida pela Superintendência Federal do Ministério da Agricultura no Estado (Mapa/RS), pela Secretaria da Agricultura, pelo Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), Apil, Famurs, Sistema Farsul, Fetag, Sistema Ocergs, Emater, Embrapa, Conseleite, Gadolando, Associação dos Criadores de Jersey, Fecoagro, Simvet, CRMV/RS e UFSM. (Assessoria de Imprensa Sindilat)
 
 
Exportação de lácteos da Argentina aumenta 9% no 1º trimestre, para 72,6 mil toneladas
A exportação de produtos lácteos argentinos aumentou 9% em volume no primeiro trimestre deste ano, em comparação com igual intervalo do ano anterior, informou, em nota, a Secretaria de governo do Agronegócio. Nos três primeiros meses do ano, exportadores argentinos venderam para o exterior 72,6 mil toneladas de produtos lácteos, gerando uma receita de US$ 210,33 milhões.
Do total exportado no período, 31% correspondeu ao leite em pó integral, 20% a outros produtos e 19% a soro de leite. "O crescimento das exportações impulsiona o restante da cadeia, pois a produção de lácteos na Argentina está fortemente ligada ao mercado externo", afirmou o secretário Luis Miguel Etchevehere.
Em abril, a produção láctea argentina alcançou 736,9 milhões de litros, aumento de 2% em relação ao mês anterior, mas queda de 5% na comparação anual. Já o preço de referência pago ao produtor atingiu 13,32 pesos argentinos por litro, 13% maior que o registrado em março de 2019 e 118% superior ao reportado no mesmo mês de 2018. (As informações são do jornal O Estado de São Paulo)
 
Marcas 
A Kantar publicou seu relatório anual de "Pegada das Marcas", [Brand Footprint], que é um ranking global das marcas de consumo preferidas. A empresa de pesquisa utiliza o Consumer Reach Points para calcular o ranking, que é uma combinação da população (número de domicílios em um país), penetração (porcentagem de famílias que compram certas marcas) e escolha do consumidor (número de interações com uma determinada marca). É a sétima edição da Brand Footprint, abrangendo mais de 20.000 marcas em 49 países, nos cinco continentes, o que representa 72% da população mundial, e 85% do Produto Interno Bruto (PIB).
 
No geral, a participação de mercado das marcas globais de lácteos caiu de 19,8% para 19,4%, e as marcas locais aumentaram para 80,6%. As sete principais marcas permanecem as mesmas na versão deste ano, com a Coca-Cola no topo, novamente. A primeira empresa, somente de lácteos no ranking é a Danone, na 26ª posição, quatro lugares abaixo da classificação obtida no ano passado. Milo da Nestlé aparece no 39º lugar, e logo depois surge um outro produto Danone, Activia, em 42º lugar, e a Yakult sobe duas posições e fica no 47º lugar.
Na categoria lanches, o portfólio de sorvetes da Unilever, Wall, ocupa, novamente, o primeiro lugar. Os lácteos também estão bem na categoria online, onde a Anchor (Arla Foods/Fonterra) garante uma segunda posição, o Yoplait da General Mills, fica na quinta e a Wall aparece na 12ª colocação.
Das 14 marcas bilionárias locais FMCG do ranking, a Amul da Índia, chega em segundo, enquanto as chinesas Yili e Mengniu preenchem os 10º e 14º lugares, respectivamente. Tradicionalmente, a América Latina surge com marcas locais dominantes, e este ano não foi diferente. O Grupo Lala (México) se mantém no topo. A peruana Gloria surge no segundo lugar, o Ninho/Nido da Nestlé ocupando o terceiro lugar, e a Vigor, do Brasil, saltando dois postos e ficando em quarto lugar. (Dairy Reporter - Tradução livre: Terra Viva)
 
 
Ministério da Agricultura cria novas normas de qualidade do leite | 
CLIQUE AQUI para assistir. (SBT Brasil - 18/05/19)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *