Pular para o conteúdo

18/04/2019

Porto Alegre, 18 de abril de 2019                                              Ano 13 - N° 2.962

    Entidades planejam ações para cadeia produtiva do leite em Serafina Corrêa

Dando sequência à proposta de integrar ações entre entidades relacionadas à produção agropecuária de Serafina Corrêa, nesta quinta-feira (12/04) foi realizada uma reunião para discutir a situação enfrentada pelos bovinocultores de leite do município. Este foi o segundo encontro das entidades que formam o Comitê do Leite de Serafina Corrêa. A reunião, ocorrida na Câmara de Vereadores do município, foi organizada pela Emater/RS-Ascar e, além de profissionais da Instituição, participaram representantes da Cooperlate, Banco do Brasil, Banrisul e Senar.

De acordo com o engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar, Leandro Ebert, trata-se de uma iniciativa para aproximar essas entidades, debater o cenário do leite no município e propor ações conjuntas visando ao desenvolvimento da cadeia produtiva em Serafina Corrêa.

“Nesse segundo encontro, a partir de dados apresentados pelo Senar e pela Emater, as entidades demonstraram-se preocupadas com a situação enfrentada pelos bovinocultores no município, tanto com relação às dificuldades econômicas devido aos preços do leite nos últimos meses, quanto com relação às Instruções Normativas que tratam da qualidade do leite e entrarão em vigor em 30 de maio deste ano”, explica Ebert. 

Dessa forma, ficou definida a realização do 1° Encontro de Bovinocultores de Leite de Serafina Corrêa em 30 de maio. Como parte da programação, será realizado um painel sobre o cenário do leite no município e oficinas com os produtores para discutir estratégias de ações para os próximos meses. (Assessoria de Imprensa Emater/RS-Ascar - Regional de Caxias do Sul)
 
                 
 
Rabobank 

Oferta menor e demanda maior darão sustentação aos preços dos lácteos em 2019. O crescimento da produção de leite nos sete maiores exportadores globais (Estados Unidos, União Europeia, Nova Zelândia, Austrália, Brasil, Argentina e Uruguai) ficou completamente estabilizado no primeiro trimestre de 2019, destacou o banco holandês Rabobank, me seu primeiro boletim trimestral do ano.
 
“As perspectivas sobre a oferta de leite nos sete países se mantêm muito justas, até 2020. E se sentirá uma pressão particular no primeiro semestre de 2019, já que a produção de leite cai para o território negativo pela primeira vez desde 2016. No curto prazo, isto sustentará uma alta adicional nos preços internacionais”, destaca o relatório.

“Isto realmente ajudará a melhorar o preço dos produtos básicos que temos verificado desde o infla de 2018”, explicou a analista do Rabobank na Nova Zelândia, Emma Higgins.

A China começou um novo ano com uma forte atividade de importação. E isto é outro fator que contribuiu para a recuperação de preços, disse Higgins, ainda que tenha sido prudente sobre este ponto. “Os estoques da China agora recuperados e cremos que haverá baixa em termos de compras nos próximos meses”, alertou.

“A incerteza e as perspectivas da demanda continua aumentando e espera-se que o crescimento econômico mundial poderá ser mais debilitado nos próximos 24 meses. Sem dúvida, temos assumido que os fundamentos macroeconômicos não afetarão significativamente a demanda de lácteos em mercados chaves”, diz o relatório. (Blasina y Asociados – Tradução livre: Terra Viva)

Produção/AR 

A produção total de leite alcançou 10.527 milhões de litros em 2018, o que representa crescimento de 4,2% em relação a 2017.

Em março de 2019 a produção foi de 745,5 milhões de litros de leite, que representa aumento de 11,6% em relação ao mês anterior (+076% se corrigido ambos os meses a 31 dias) e uma queda de 8% em comparação com igual mês do ano anterior.

No acumulado dos três primeiros meses de 2019, registra-se queda de 8,3% em relação a 2018. A média móvel dos últimos 12 meses mostra crescimento interanual de 0,2%.

 
Normalmente a produção alcança seu pico de mínima no mês de abril, e pelos dados que podem ser observados, esse mínimo já foi alcançado em março. A partir de agora é o começo do crescimento, se forem mantidas as condições atuais de melhores preços e aspectos meteorológicos normais. É possível que a queda do 1º trimestre seja neutralizada, e pode, inclusive aumentar o volume de 2019 em relação ao de 2018, ou ficar muito próximo. (+/- 1%). (OCLA – Tradução livre: Terra Viva)

 

 
NO RADAR
Será instalada na próxima segunda-feira a Frente Parlamentar em Apoio à Evolução do Status Sanitário Animal do Estado. O objetivo, segundo o presidente, deputado Ernani Polo (PP), é que possa servir de espaço para a articulação política necessária ao avanço da condição sanitária, não só em relação à febre aftosa. (Zero Hora)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *