Pular para o conteúdo

05/04/2019

Porto Alegre, 05 de abril de 2019                                              Ano 13 - N° 2.953

    ANTT publica estudo com nova metodologia para cálculo de frete

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou em seu site o trabalho feito pela EsalqLog/USP que estabelece as bases para uma nova metodologia de cálculo para tabelamento de preços mínimos de fretes rodoviários no país.

Contribuições públicas poderão ser feitas a partir do dia 9 (próxima terça-feira) e encontros presenciais serão realizados em cinco capitais brasileiras (Belém- PA, RecifePE, São Paulo-SP, Porto Alegre-RS e Brasília-DF) durante todo este mês. O trabalho leva em consideração os preços médios praticados antes e após a Lei nº 13.703, de 8 de agosto de 2018, que estabeleceu a tabela, além de reajustes de combustível, inflação e custos para os transportadores em diferentes rotas e tipos de carga.

Foram publicados parâmetros para carga geral, perigosa, sólida a granel, líquida a granel, líquida e perigosa a granel, sólida e perigosa a granel, frigorificada, frigorificada perigosa, neogranel, conteinerizada e conteinerizada perigosa.

O estudo sugere inicialmente pisos mínimos regionalizados, inclusão de novos tipos de carga, utilização do conceito frete/peso - em vez de frete/volume -, inclusão de custos fixos relacionados ao transporte de cargas perigosas e conceito de função linear em vez de faixas de distância. O documento completo e o link para a consulta pública estão disponíveis no site. (As informações são do jornal Valor Econômico)
 
                 

FAO: diferente da estabilidade no índice dos preços dos alimentos, lácteos têm 3ª alta consecutiva

O índice de preços dos alimentos da FAO, braço da Organização das Nações Unidas (ONU) para agricultura e alimentação, ficou praticamente estável em março. Alcançou 167 pontos, sendo 0,2 pontos a mais que em fevereiro e uma queda de 3,6% em relação a março de 2018.
A leve variação mensal foi resultado de um aumento acentuado nos preços dos lácteos e das cotações mais firmes das carnes, compensados pelas quedas de cereais, oleaginosas e açúcares. 
 

O indicador específico dos lácteos registrou a terceira alta consecutiva e alcançou 204,3 pontos, 6,2% mais que em fevereiro. Houve aumento dos preços da manteiga, do leite em pó integral e do queijo, principalmente em virtude da menor oferta na Oceania. Em contrapartida, disse a FAO em relatório, os valores do leite em pó desnatado recuaram.

O sub-índice de carnes subiu marginalmente, 0,4%, em relação ao resultado revisado de fevereiro e ficou em 162,5 pontos. "As cotações das carnes suína, bovina e de frango receberam impulso de um aumento na demanda de importação, especialmente da China. Por outro lado, as cotações da carne de ovinos recuaram pelo terceiro mês consecutivo devido à grande disponibilidade de exportação da Oceania".

O indicador dos cereais caiu 2,2% em março ante fevereiro, para 164,8 pontos. Os preços do trigo foram os que mais recuaram no mês, mas os do milho também caíram, ambos devido a maior oferta mundial. A cotação média dos óleos vegetais também caiu em março, influenciada importações moderadas de óleo de soja, canola e palma, ao mesmo tempo em que se percebeu um acúmulo de estoques nos países produtores.

O indicador ficou em 127,6 pontos em março, 4,4% menos que em fevereiro. Conforme a FAO, o preço médio do açúcar também caiu, refletindo a maior oferta em países produtores como Brasil e Índia. A agência também citou que a fraqueza do real ante o dólar faz pressão adicional sobre as cotações. O subíndice de açúcar ficou em 180,4 pontos em março, com queda de 2,1%. (As informações são do jornal Valor Econômico)

Leite/Europa

Indicadores preliminares da produção de leite neste início de temporada na Europa Ocidental detectaram duas coisas: 1 – produção sazonal crescente; 2 – a produção está maior do que a verificada nessa mesma época do ano passado.

A esperança é que esses resultados dissipem as preocupações resultantes da menor produção de leite em janeiro, que foram atribuídas ao clima excepcionalmente frio, e que poderiam frustrar as expectativas de aumento da produção total de leite em 2019. A indústria de laticínios da União Europeia (UE) está bastante confiante de que, tratados comerciais favoráveis e relações duradouras com clientes, propiciem a exportação de qualquer produto lácteo excedente. Assim, quanto mais leite produzido em 2019, mais lucros para as indústrias.

A produção de leite da UE em janeiro de 2019 foi de 12,9 milhões de toneladas, 1,4% menor do que a registrada em janeiro de 2018, apontou a Eurostat. O resultado foi inesperado. O tempo atípico de janeiro foi responsabilizado pela queda no desempenho dos principais países produtores de leite do bloco.

No ranking de janeiro do Reino Unido aparece como o terceiro maior produtor de leite da UE, o que faz lembrar o quanto pode ser desafiador o Brexit para o comércio local e mundial de lácteos.

Quaisquer que sejam os méritos ou deméritos do Brexit, a indústria de laticínios, tanto da UE, como do Reino Unido, está extremamente apreensiva sobre o impacto da retirada do Reino Unido. A falta de um acordo sobre a saída adiciona mais incertezas.

As deliberações caóticas do Reino Unido preocupam produtores, processadores e comerciantes do setor lácteo, porque não conseguem planejar o futuro. O mercado atual de queijo da Europa Ocidental está tendo uma boa demanda. As indústrias estão gerenciando bem a oferta doméstica e de exportação, e não há problema se houver mais fabricação de queijo.

A produção de queijo no mês de janeiro de 2019 foi de 772.430 toneladas, 1% menos do que a produção de janeiro de 2018, de acordo com a Eurostat. A maioria das indústrias fabricantes de queijo gostariam de ter mais leite para produzir mais queijos. As exportações europeias de queijo em janeiro de 2019 totalizaram 67.991 toneladas, aumento de 8% em relação a janeiro de 2018, e foi correspondente a 8,8% da produção. (Usda – Tradução Livre: Terra Viva) 

Confaz prorroga Convênio 100 para mais um ano
O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) prorrogou para o dia 30 de abril de 2020 o Convênio 100/97, que trata da isenção de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o transporte de insumos agrícolas dentro dos Estados e dá desconto quando a movimentação é interestadual. A decisão ocorreu durante votação do Conselho realizada nesta sexta-feira (5), em Brasília. Para o deputado federal José Mário Schreiner (DEM-GO), vice-presidente da região centro-oeste da Frente Parlamentar da Agropecuária, a prorrogação é uma conquista fundamental para o setor agropecuário brasileiro. “Toda nossa mobilização de conscientização foi essencial para essa conquista. O Convênio 100/97 assegura a competitividade do setor agropecuário brasileiro e toda sociedade. Os impactos do incentivo foram diretos na redução do custo de produção da agropecuária nacional”, destaca o deputado. José Mário também ressalta a união das entidades de classe para esta conquista. “O trabalho das entidades representativas como a FPA, CNA e nossa Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados foi extremamente importante no processo de convencimento da importância da manutenção do Convênio 100”, disse. (Portal FPA, com informações da Assessoria)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *