Pular para o conteúdo

24/08/2018

Porto Alegre, 24 de agosto de 2018                                              Ano 12 - N° 2.807

Câmara setorial do leite discute regulamentos técnicos
 

Representantes da indústria de laticínios participaram ontem da reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em Brasília. Um dos assuntos tratados foi a situação das consultas públicas referentes às portarias 38/2018 e 39/2018, que estabelecem novas regras para características de qualidade do leite cru refrigerado, do leite pasteurizado e do leite tipo A.

Segundo o secretário executivo do Sindilat, Darlan Palharini, que participou da reunião, a Câmara decidiu incluir em sua pauta a criação de um RTQI para o soro de leite, que será submetido a consulta pública. A medida atende a uma reivindicação das indústrias associadas do Sindilat que processam soro líquido para transformação em soro em pó. "Acreditamos que a publicação do regulamento técnico possa sair até o fim do ano. Com isso, teremos regras e padronização para a operação das indústrias", diz Palharini. Também foram aprovadas pela Câmara as propostas de criação de novos RTQIs, para ricota, queijo minas padrão, queijo meia cura e provolone.

A Câmara Setorial também discutiu o tabelamento de preços do frete rodoviário instituído pelo governo federal em junho, por medida provisória, após a crise desencadeada pela greve dos caminhoneiros. A tabela, que desagradou a diversos setores da economia, enfrenta questionamentos do Supremo Tribunal Federal (STF). (Assessoria de Imprensa Sindilat)

 

Seca na Europa e as consequências para a produção leiteira

Devido às consequências da seca em curso, os produtores rurais de toda a Europa enfrentam grandes dificuldades. No setor lácteo, a seca contribuiu para que a situação se tornasse ainda mais aguda, de acordo com o European Milk Board (EMB). No meio da crise dos lácteos, as reservas foram completamente dizimadas e, em muitos lugares, as dívidas se acumularam, disse a organização.

As reduções no rendimento e as colheitas fracassadas estão atingindo duramente os produtores, e o EMB acrescentou que os custos dos alimentos levam a um aumento da pressão e crescentes déficits financeiros. O EMB acrescentou que a ajuda financeira é útil para lidar com os efeitos diretos da seca e o leite em pó dos estoques de intervenção da UE deve ser mantido fora do mercado, porque isso pressionaria ainda mais os baixos preços do leite - que atualmente estão em média em torno de 33 centavos por litro na UE.

Procurando por soluções
O presidente do EMB, Erwin Schöpges, disse que é importante trabalhar em soluções de curto e longo prazo. "Um mecanismo que acabaria com a longa série de crises no setor é um elemento indispensável nesse sentido e deve contribuir para que os produtores recebam preços que realmente cubram os custos de produção - incluindo uma renda 'decente' - e assim, permitam que as fazendas operem sustentavelmente e visando a sobrevivência", disse Schöpges.

Boris Gondouin, membro do comitê executivo da EMB e produtor francês de lácteos, acredita que o gerenciamento progressivo de crises é a única maneira de garantir que as fazendas permaneçam vivas em situações extremas, como a atual seca. "Desde o ano de 2000, as secas se tornaram mais severas e muito mais frequentes, tanto na França quanto em outros países. Isso mostra que é importante 'ganharmos o suficiente' nos chamados anos normais, sem acabar com as nossas economias. Mas isso só seria possível se instrumentos como o Programa de Responsabilidade do Mercado (MRP) fossem integrados à Política Agrícola Comum (PAC) da UE", disse Gondouin.

Benefícios do MRP
O MRP desenvolvido pelo EMB promove o ajuste temporário dos volumes de produção para que o colapso dos preços do leite possa se recuperar. Flexivelmente adaptado à situação do mercado, diferentes fases do MRP podem ser ativadas - cortes de produção voluntários são um exemplo disso.

O MRP previne perdas de criação de valor que enfraquecem massivamente os produtores, disse a EMB. Para atender aos muitos desafios da produção leiteira sustentável, ecológica, animal e favorável ao clima, são necessários mercados à prova de crise e preços que cubram os custos para os produtores.

A vice-presidente do EMB, Sieta van Keimpema, disse que o MRP é um passo importante em direção a uma política agrícola comum, reduzindo o que ela disse ser uma desigualdade, já que diferentes países europeus lidam com a situação de forma diferente.

"Alguns países estão atualmente apoiando seus produtores durante a seca, enquanto outros estão relutantes em fazê-lo. O MRP adota uma abordagem diferente. Como seria aplicado da mesma maneira a todos os países da União Europeia e também previa e evitaria crises a nível da UE, isso ajudaria a estabilizar o mercado de lácteos como um todo, o que, no final, beneficiaria todos os produtores da UE", disse van Keimpema.

Maior pagamento
No Reino Unido, a empresa de lácteos, Dairy Crest anunciou no mês passado que, devido às condições meteorológicas extremas, estava fazendo um pagamento suplementar de 0,5 centavos (0,64 centavos de dólar) por litro a partir de 1 de setembro de 2018 para seus agricultores de Davidstow.

Chris Thomson, diretor de compras do grupo Dairy Crest, disse: "estamos bem conscientes dos desafios que nossos produtores estão enfrentando no momento devido ao clima extremamente quente e seco e estamos satisfeitos por podermos apoiá-los durante este período difícil". (As informações são do Dairy Reporter, traduzidas pela Equipe MilkPoint)

 

Em setembro, Buenos Aires será a capital dos lácteos

Congresso Panamericano do Leite - Entre 11 e 13 de setembro, será realizado o 15º Panamericano do Leite na sede de exposições Rurais em Buenos Aires. Ali estarão os principais atores da cadeia láctea do continente americano para conhecer as últimas tendências, debater, e planejar o futuro do setor lácteo. 

Entre os conferencistas convidados estarão presentes a diretora geral da Federação Internacional de Lecheria (FIL), Caroline Emond; o presidente e diretor executivo da Federação Nacional dos Produtores de Leite dos Estados Unidos, Jim Mulhern; altos executivos e diretores das empresas Lactalis (França), Arla Foods (Dinamarca), Tetra Pak (Estados Unidos) e Dairy Farmers of America (Estados Unidos). Também participarão destacados pesquisadores e professores de universidades da Austrália, Estados Unidos e Nova Zelândia, entre outros países. Durante o Congresso, também serão realizadas reuniões e atividades: a Assembleia Geral Anual da Fepale, a reunião do Conselho Latinoamericano de Proteína Animal (Colapa), assim como uma série de rodadas técnicas nas províncias de Buenos Aires, Santa Fe e Córdoba, quando os participantes conhecerão fazendas de leite, plantas industriais, institutos de pesquisa e PYMES queijeiras. (Infortambo - Tradução livre: www.terraviva.com.br')

Projeto Leiteria
 As indústrias lácteas gaúchas uniram-se para levar um espaço de aconchego e sabores inusitados para a Expointer 2018. É a Leiteiria Sindi¬lat, um projeto que chega ao Parque de Exposições Assis Brasil, em Es¬teio, para oferecer aos visitantes da exposição um conceito diferenciado de alimentação, composto por lan¬ches rápidos e saborosos com uma proposta que se assemelha a uma pâtisserie. No local, além do deli¬cioso e tradicional leite com café, haverá um mix diferenciado de cap¬puccinos, cafés especiais, salgados e doces à base de leite e derivados. O espaço na Boulevard Quadra 46 vem complementar o projeto do PUB do Queijo, inaugurado em 2017 e que volta a Expointer este ano. (Jornal do Comércio
)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *