Pular para o conteúdo

15/12/2017

Porto Alegre, 15 de dezembro  de 2017                                              Ano 11- N° 2.642

 

  Cooperativas da agricultura familiar vão vender leite em pó para a Conab
 
Cooperativas gaúchas da agricultura familiar assinaram nesta sexta-feira (15/12), em Porto Alegre (RS), um termo de aquisição de leite em pó, pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), para a distribuição na rede assistencial. A medida, formalizada em cerimônia no Palácio Piratini, foi alinhada através do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) com um investimento do governo federal de R$ 13,7 milhões para 31 cooperativas do Rio Grande do Sul. O investimento total do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) para o país foi de R$ 17 milhões. O termo de aquisição foi assinado pelo ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, e o governador José Ivo Sartori.

A compra representa mil toneladas, o que para o presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do RS (Sindilat), Alexandre Guerra, não é o suficiente para tirar a pressão do mercado, mas simboliza um alento para os produtores. "A partir do momento que existe uma compra governamental que traz para as cooperativas um benefício e se consegue fazer a venda para o governo por um valor que seja, de fato, condizente e justo, porque foi a R$ 13,94 ao quilo, isso faz com que também se contribua para regular a questão de preços e fazer com que se possa beneficiar o produtor de forma direta", afirmou. "Não importa quem está vendendo, o importante é que se tire a pressão do mercado", frisou. 

Guerra ainda apontou que as conquistas, como a compra do leite em pó, reajuste do valor do quilo do leite em pó, abertura de linhas de crédito para comercialização e industrialização com taxas máximas de 12% a.a., é uma mostra da maneira inédita da organização do setor. "Foi uma demanda iniciada pelo Sindilat e articulada com outras entidades do Estado, como Fetag, Farsul, Famurs, IGL, Secretaria da Agricultura, SDR, Casa Civil, teve o envolvimento do próprio governador, além de diversos deputados estaduais e federais, além de entidades dos estados de SC, PR, MG e GO", pontuou.

A partir de agora, o MDS repassará o valor, com um teto de até R$ 500 mil para cada cadastrada, para a Conab efetuar o pagamento às cooperativas mediante comprovação de entrega do produto, de forma imediata. O leite em pó adquirido poderá ser incluído em cestas básicas doadas para Banco de Alimentos e Ceasas, além de entidades assistenciais, como APAEs. "O Rio Grande do Sul foi o estado que mais recebeu o investimento, o que mostra a organização das cooperativas gaúchas", afirmou o ministro Osmar Terra. Na ocasião, ele reconheceu, no entanto, que as compras não solucionam o problema de mercado e ressaltou a importância do setor para o Estado. O Rio Grande do Sul produz 4,6 bilhões de litros de leite por ano, concentra 13% da produção nacional e possui 65 mil famílias que entregam o alimento para a indústria. O secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social, Caio Rocha, também prestigiou o evento. (Assessoria de Imprensa Sindilat)


Crédito: Jézica Bruno 

 

Após recuperação, preço do leite volta a cair, avalia Conseleite/SC

Os preços pagos ao produtor de Santa Catarina devem cair 1,7%, segundo o Conselho Paritário Produtor/Indústrias de Leite do Estado (Conseleite/SC). Em reunião nesta semana em Joaçaba (SC) para definir os valores de referência para o mês, o Conseleite disse que o produto entregue em dezembro a ser pago em janeiro pelos laticínios terá uma redução de quase dois centavos por litro nos valores de referência.

"No mês passado, o mercado sinalizava uma lenta recuperação nos preços pagos ao produtor rural, depois de seis meses de quedas decorrentes da redução generalizada de consumo de leite e derivados. O otimismo durou pouco", disse a entidade em nota, se referindo aos 5,2% de reajuste nos preços em novembro. 

Conforme a projeção, o leite acima do padrão deve ser negociado a R$ 1,1271/litro; leite padrão a R$ 0,9801 e abaixo do padrão a R$ 0,8910. Os valores se referem ao leite posto na propriedade com Funrural incluso. O Conseleite disse que em novembro a recuperação parcial de preço estava fundada na leve melhoria do consumo interno e na suspensão das maciças importações do Uruguai. "O recuo deste mês de dezembro decorre do excesso de produção e do baixo consumo, reflexo da queda de renda do brasileiro". Santa Catarina é o quarto produtor de leite do Brasil. (As informações são do jornal O Estado de São Paulo e FAESC)

 

Preços/UE 

Os preços dos produtos lácteos caíram novamente em novembro, embora em diferentes degraus nos mercados físicos e futuros. Os preços da manteiga e do leite em pó desnatado (SMP) no mercado físico estiveram sob pressão em novembro, tanto em decorrência do aumento do nível da produção, como pela baixa atividade comercial. 

No entanto, os mercados futuros responderam discretamente ao aumento da produção. Os preços dos contratos de manteiga e SMP para março de 2018 declinaram em decorrência do alinhamento com as perspectivas de oferta sazonal mais elevada. Isso teve o efeito de reduzir o valor médio do leite (FMPE) em pouco menos de 8% em relação aos preços futuros de fevereiro de 2018. Já os mercados físicos (spot) foram impactados com maior intensidade pelo recuo da demanda. A queda nos preços da manteiga reduziu em 13% o valor médio do leite (AMPE). Após o alto valor negativo de outubro, o indicador FMP* para novembro continuaram negativos, indicando que os comerciantes esperam maior flexibilização dos preços na primavera, o que não é surpreendente, já que estará perto do pico de produção, aumentando a oferta.

 
*Desempenho do Mercado Futuro (FMP, sigla em inglês) é um indicador de mercado do AHDB Lácteos que monitora a diferença entre os preços correntes do mercado e os preços futuros negociados em contratos. O objetivo é fornecer alguma indicação da expectativa dos negócios futuros em relação à oferta e à demanda que deverá ocorrer nos próximos meses. A comparação é entre um Preço Equivalente Atual do Leite (AMPE) e o Preço Equivalente do Preço do Leite Futuro (FMPE). Ambos são cotados em Euros para anular as variações cambiais, pois não existe preços futuros em Libras. O FMPE é calculado da mesma forma que o AMPE, mas, usando os preços futuros da Bolsa de Valores Europeia de Energia e Commodities (EEX). O FMPE é calculado quatro meses antes do AMPE, pois geralmente é quando a maior parte dos negócios já foram realizados. O FMP é a relação entre o AMPE e o FMPE. Conforme mencionado, trata-se das posições comerciais, sobre a expectativa da oferta/demanda futuras. Portanto, um valor negativo indica que aqueles envolvidos no mercado futuro no mês acham que pode haver uma oferta relativamente alta e que o mercado estará focado na oferta nos próximos meses. Um resultado positivo significa que os comerciantes esperam uma oferta futura apertada, e demanda forte, fazendo com que o mercado fique mais focado na demanda.

 
FMP não é para nós quanto o preço do leite irá variar, mas, combinado com outros aspectos do mercado, pode indicar um movimento potencial, ou tendências dos preços. É também importante lembrar, até o presente, a quantidade de produtos negociados pelo mercado futuro é pequeno.

Nota:
Os preços Futuros são da EEX, indicando qual a expectativa em relação aos preços futuros, mas que estão sujeitos a mudanças constantemente. Esta página é atualizada semanalmente, segunda ou terça-feira. O comércio no mercado futuro é muito reduzido, e, portanto, esses números devem ser vistos como indicadores das tendências do mercado. O Preço Equivalente Atual do Leite (AMPE) é um indicador de mercado para o setor de produtos lácteos, estimando resultados. O valor dos indicadores de mercado é a base para identificar tendências e usá-las para fins mais precisos, tendo ciência dos limites do alcance e precisão. (AHDB - Tradução livre: Terra Viva) 

Senado aprova a negociação do Funrural
O Senado aprovou ontem o projeto de lei que trata do programa de regularização dos produtores com dívidas com o Funrural. Ficou estabelecido que quem aderir ao "Refis" do Funrural terá que quitar 2,5% do total da dívida consolidada como entrada e o restante em 176 parcelas mensais, sem incidência de multas, juros e encargos. O texto segue agora para a sanção presidencial. (Correio do Povo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *