Porto Alegre, 10 de janeiro de 2018                                              Ano 12 - N° 2.652

 

SOMBRA PARA A PECUÁRIA

Não é de hoje que o carrapato tira o sono dos pecuaristas gaúchos. Mas o crescimento da resistência aos produtos usados e a falta de frio no inverno estão criando ambiente ainda mais propício para o desenvolvimento do parasita. E aumentam a pressão por soluções.

- Nos últimos 20 anos, as drogas lançadas estão falhando, e não temos tido mais invernos como no passado. O pecuarista está vivendo com o problema de ter muito carrapato no campo e não ter produto para combater - afirma Ivo Kohek Junior, coordenador do serviços de doenças parasitárias da Secretaria da Agricultura e do grupo técnico de carrapato e tristeza parasitária.

O carrapato pode causar a tristeza parasitária, principal causa de morte no rebanho bovino do Estado - as estimativas são de cem mil animais por ano. E há os prejuízos econômicos: mais de R$ 350 milhões. - Isso está inviabilizando a pecuária do Rio Grande do Sul - lamenta Paulo Conceição, com propriedade em Herval, no Sul.

Uma das ferramentas que podem ajudar tem nome complicado. É o biocarrapaticidograma, análise que permite saber qual produto tem maior eficácia. Outra opção é a premunição - espécie de imunização, que ainda esbarra em dificuldades de industrialização e no pós-venda, afirma Kohek. (Zero hora)

 

Tecnologia coreana inovadora chega ao Brasil para auxiliar na expansão da bovinocultura

Sensores inseridos em bio-cápsulas são a tendência do mercado global que chega ao Brasil. O controle reprodutivo e sanitário dos rebanhos brasileiros passa a contar com uma nova e avançada tecnologia originária da Coreia do Sul. Sensores inseridos em bio-cápsulas são a tendência do mercado global que chega ao Brasil. A fazenda Santa Rita, localizada no interior de Erval Velho, no meio oeste catarinense, foi a segunda propriedade a ter essa tecnologia no País. 

Vinte bovinos de corte da raça Red Angus receberam a bio-cápsula e serão permanentemente monitorados tanto pelo produtor quanto pela empresa Live Care, que desenvolveu a tecnologia. O proprietário da fazenda e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC) José Zeferino Pedrozo considera que os avanços tecnológicos são excelentes suportes para o desenvolvimento da bovinocultura, assim como de outras cadeias produtivas.

As bio-cápsulas são inseridas por via oral no estômago dos ruminantes e capturam dados de temperatura do corpo, ciclos diários de líquido. "Esses dados são enviados para uma caixa de coleta em tempo real, ou seja, o produtor consegue acessar essas informações em qualquer lugar por meio da web ou do aplicativo", explica o responsável pela Live Care no Brasil.

Os dados são atualizados mais de 300 vezes ao dia, permitindo que o criador compreenda melhor o tempo de inseminação após o cio além de auxiliar na prevenção de possíveis acidentes de parto. O serviço, disponibilizado pela Live Care em vários países, envia notificações por meio de um alarme ou mensagem quando identifica alguma anormalidade.

O produto utilizado na fabricação das bio-cápsulas é proveniente da cana de açúcar, não é tóxico e permanece no estômago do animal de seis a sete anos com total segurança. "Foram mais de três anos de pesquisa e desenvolvimento com mais de três milhões de dados comparativos, garantindo um alto nível de confiabilidade e detecta a anomalia de imediato, evitando possíveis epidemias no rebanho com total controle dos animais", complementa o diretor.

O sistema chegou recentemente ao Brasil e encontra-se em período de teste em apenas duas propriedades. "Ainda não temos como mensurar quais recursos serão necessárias, isso varia de acordo com a realidade de cada propriedade, mas os investimentos feitos são por mensalidade justamente para facilitar o acesso aos produtores rurais", observa diretor da Live Care. 

Pedrozo avalia que os dados emitidos pelo sistema são parâmetros importantes para o monitoramento da saúde e da reprodução do rebanho. O presidente ressalta que em território barriga-verde, de acordo com dados da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC), a bovinocultura está presente em 291 municípios (98,6% do total). 

O rebanho distribui-se em 78.729 produtores, dos quais 35.713 (45,36%) com finalidade comercial e 43.016 (54,64%) sem finalidade comercial. Embora o Estado seja mais conhecido pela produção de leite do que de carne, há predomínio de animais de corte: 51,4% possuem aptidão para corte, 34,7% aptidão para leite, 13,75% aptidão mista. "O acesso a essas informações representa redução de perdas e retorno positivo aos produtores rurais. As novas tecnologias surgem como propulsoras do agronegócio", finaliza. (FAESC)

 
Poder de compra do leite continua em recuperação

Preços/Uruguai - O percentual de aumento no preço do leite ao produtor foi decisivo para que o poder de compra do leite esteja se recuperando nos últimos 12 meses, segundo o Instituto Nacional do Leite (Inale). No outro prato da balança, os custos aumentaram menos. A baixa ocorreu no preço dos concentrados que os produtores fornecem para as vacas como suplementação alimentar, mas, também na mão de obra assalariada, no preço das sementes e dos fertilizantes, e na contratação de máquinas.

Indicadores chaves
- Poder de compra - Em pesos, cresceu 2% em novembro, em relação a dezembro de 2016

- Preço do leite - Em pesos, aumentou 6% em novembro, em relação a dezembro de 2016

- Custos de produção - Em pesos, aumentaram em novembro, em relação a dezembro de 2016

- Em 12 meses - Em novembro de 2017, o poder de compra do leite teve incremento de 4% com o aumento de 7% no preço do leite ao produtor, e custo menor, 3%. (El Observador - Tradução Livre: Terra Viva)

Seca na Nova Zelândia - Ajuda para o setor lácteo da Argentina?
Leite/AR - Não apenas os produtores de grãos da Argentina estão temerosos com o impacto da seca: o fenômeno também está presente na Nova Zelândia, um dos principais produtores mundiais de leite, o que, em princípio, pode significar boas notícias para os produtores de leite e a indústria da Argentina. Segundo um artigo da imprensa italiana, divulgado pelo Observatório da Cadeia Láctea Argentina (Ocla), a multinacional Fonterra, que regularmente realiza leilões nos quais se estabelece o preço mundial de referência para os lácteos, revisou para menos as expectativas de produção da Nova Zelândia. Nestas circunstâncias, espera-se que a cotação internacional do leite em pó aumente, diante de uma redução da oferta. Contexto: Na primeira metade da temporada, de junho a novembro, a produção de leite da Nova Zelândia cresceu 1,85%; agora a Fonterra prevê redução de 3%, devido às atuais condições de seca que afeta, negativamente, a qualidade dos pastos."Na primeira semana de 2018, os preços do leite em pó integral se fortaleceram, revertendo a fraca tendência de preços do final de 2017. O aumento reflete as projeções da Fonterra de menor produção de leite e o anúncio de menor oferta de leite em pó integral", diz a Ocla. (Agrovoz - Tradução Livre: Terra Viva)

Sindilat

Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados
do Estado do Rio Grande do Sul

Contato

Av. Mauá - n° 2011 - Sala 505 - Centro
Porto Alegre / RS
CEP 90030-080

Fone: (51) 3211-1111 - Fax: (51) 3028-1529
E-mail: sindilat@sindilat.com.br

Newsletter

Nome
E-mail
Estou ciente que receberei as newsletter da Sindilat/RS
Back to top