Porto Alegre, 11 de outubro  de 2017                                              Ano 11- N° 2.601

 

Osmar Terra promete resposta sobre compras governamentais
 

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios do RS (Sindilat), Alexandre Guerra, reuniu-se nesta terça-feira (10/10) em Brasília com o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, para tratar do pedido de compras governamentais de leite em pó e UHT. Durante o encontro, o titular da pasta comprometeu-se a dar uma posição sobre o pleito no início da próxima semana. 

Segundo Guerra, Terra disse que está trabalhando para que o governo federal faça a aquisição do produto. O ministro informou ainda que está negociando a medida em regime de prioridade com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. O volume de leite que será comprado ainda não foi definido. O pleito do Sindilat é a compra governamental de 50 mil toneladas de leite em pó e 400 milhões de litros de leite UHT. Durante a conversa em Brasília, Guerra também solicitou ao ministro uma linha de crédito para financiar estoques com rebate na taxas de juros. (Assessoria de Imprensa Sindilat)

A produção de leite no mundo continua subindo

Produção mundial - Na União Europeia (UE), a captação de leite continua aumentando, especialmente na Polônia, Irlanda e Itália, diante da recuperação dos preços pagos aos produtores. Já na Holanda, ocorre o contrário. Em julho houve queda nas entregas de leite em relação aos níveis do ano passado, ainda que possa se recuperar.

Na França, nas últimas semanas, o volume se aproxima dos de 2016, depois de forte queda no verão, em conseqüência de uma seca intensa. A demanda mundial de produtos lácteos segue bastante dinâmica. Nos primeiros sete meses do ano, as exportações europeias de leite em pó aumentaram quase 40% e as de queijo em 8%. Já as exportações de manteiga (devido à pouca oferta) e as de soro de leite estão diminuindo. Em relação aos preços, os da manteiga alcançam níveis históricos (+88% em comparação com 2016 na UE, 6.800 €/tonelada, e 82% de aumento na Oceania), enquanto o preço do leite em pó desnatado mantém a tendência de baixa desde a primavera. Na França, o aumento acumulado dos preços desde o início do ano foi de 80% para a manteiga industrializada a granel, quase 40% o reajuste do leite em pó integral, e de 10% a valorização do leite em pó desnatado. A cotação do leite em pó desnatado, nas últimas semanas, ficou abaixo dos preços de intervenção. O mercado está divergente, e acentua a grande distância entre a manteiga e a proteína. (Agrositio - Tradução Livre: Terra Viva) 

 

Comissão Europeia estuda acabar com a distribuição de leite com chocolate nas escolas

A Comissão Europeia quer acabar com a distribuição de leite com chocolate nas escolas em todos os Estados-membros da União Europeia. A medida visa promover o consumo de produtos lácteos sem adição de aromatizantes ou cacau entre os alunos do 1º ciclo escolar, mas há quem tema que a proposta possa levar a uma diminuição do consumo de leite.

O leite com chocolate continua a ser o preferido nas cantinas das escolas. Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas, indica que apesar da tendência para um maior consumo de leite com chocolate, verifica-se "um aumento do consumo de leite branco" e é essencial "as escolas estarem na linha da frente de tudo o que for favorável a uma alimentação saudável". No entanto, há quem acredite que a quantidade de cacau adicionada ao leite é importante para estimular o consumo de produtos lácteos, tendo em conta que muitas crianças não gostam de beber leite simples. O diretor do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, da Direção-Geral de Saúde (DGS), Pedro Graça, acredita que o importante é que se continue a promover o consumo de leite nas escolas. 

"O leite é um excelente alimento, dado o seu valor nutricional inegável. Por isso o seu consumo deve ser estimulado nas escolas, com o menor número possível de aditivos", sublinha Pedro Graça.

Em países como o Luxemburgo, o leite com chocolate deixou já de ser distribuído nas escolas. A medida comunitária vai aplicar-se apenas ao primeiro ciclo de ensino e o leite com chocolate continuará sendo vendido aos grupos etários que a Comissão Europeia considera capazes de fazer escolhas saudáveis. (As informações são do Jornal Econômico)

 

RS pleiteia antecipar calendário para ser considerado livre de aftosa sem vacinação

O secretário executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eumar Novacki, recebeu nesta terça-feira (10) comitiva do Rio Grande do Sul que pleiteia antecipar cronograma para tornar o estado livre da febre aftosa sem vacinação. Formada por entidades do setor agropecuário e entidades de classe, a comitiva foi liderada pelo secretário estadual da Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo, que entregou a Novacki pedido de auditoria para avaliar as condições de defesa agropecuária do estado. 

O objetivo, de acordo com o secretário gaúcho, é verificar a execução das metas do plano estadual que cumpre cronograma do Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa, para que o Rio Grande do Sul avance em seu status sanitário atual de livre da doença com vacinação. A proposta encontrou receptividade ao ser apresentada a Novacki, que destacou a importância do cumprimento do dever de casa pelos estados e disse que "o Brasil ganha com uma iniciativa como essa do Rio Grande do Sul".

Guilherme Marques, diretor do Departamento de Saúde Animal do ministério da Agricultura, que acompanhou a reunião, comentou que a auditoria já marcada para outubro possibilitará um diagnóstico detalhado da situação no estado já no mês seguinte, em novembro.

No último dia 2, o ministério aprovou versão definitiva do Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), por meio da Portaria nº 116, publicada, no Diário Oficial da União. O conjunto de normas traz as ações que serão desenvolvidas nos próximos dez anos para o Brasil tornar-se área livre da doença sem vacinação a partir de 2023. (As informações são do Mapa)

Leite: sanidade ajuda a reduzir custos do produtor
A Caravana da Produtividade já percorreu 200 fazendas por todo o Brasil. Em Lorena, interior de São Paulo, participaram pecuaristas da região, e o assunto discutido foi como produzir mais e gastar menos. Segundo especialistas, uma das soluções é investir em sanidade animal. Assista reportagem na íntegra. (Canal Rural)

Sindilat

Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados
do Estado do Rio Grande do Sul

Contato

Av. Mauá - n° 2011 - Sala 505 - Centro
Porto Alegre / RS
CEP 90030-080

Fone: (51) 3211-1111 - Fax: (51) 3028-1529
E-mail: sindilat@sindilat.com.br

Newsletter

Nome
E-mail
Estou ciente que receberei as newsletter da Sindilat/RS
Back to top